terça-feira, abril 25, 2006

Return to forever...(Tell me when it´s over!) ...revisited!



I

Dá os seios nús, entre tímidos,

<erótico/expressar>
eriçar
de pêlos intímos
e, delicados do corpo!
olhando, como quem deseja
inocentemente revirar os olhos e perder-se,
em elipses geométricas & gramaticais
fonadas; numéricas &/ou verbalmente,
ao pé do ouvido!


II

Atemporal, como alegoria de outros carnavais,
abandonada em terrenos baldios à volta de alegóricos galpões....
"junk dealer's"
oferecendo reposição para as invenções...
estoque de tralhas.
..Recuerdos de Ipacaraí....
tema de baile para solteiros
numa gafieira em Icaraí
ao lado de
uma barraquinha de
"bolin' di aipim e, queijú quaiúh!" que é uma braza....
mora!
...suburbia na boa! Sexo e Grana!....

desejo de menino que enriquece
vendendo limonada na porta de kasa ou,

Dona de casa que varre a calçada de shortinho e salto alto!
expondo a alma;
num açougue de pixels,

sites de relacionamentos & sorrisos fatais!

III

Vaidades ardendo na psicodélica fogueira
que ilumina a dantesca valsa química
celebrando, céus e infernos,
em lobotomia alcóolica,
no chip incendiado pelo estabilizador

de voltagem constante
como requer a matemática binária

e a descarga de estática no terra...
em suas veias correm correntes de 2, 5 & 12 volts,
conforme a instrução, muda-se o cálculo!
conforme a carga, a requisição ao processador.....
vice versa em móto perpetúo à exaustão.

IV

Meio da noite, calçadas escuras...
parasitas a expreitar, disfarçados de vampiros,
"freaks", perversos e Quasímodos,
cada qual na sua fila de sopa,
afim, na verdade, é do pedaço de carne
para preencher-lhes o buraco da cárie
que preservará
o sabor,
a
lamber-se-lhes o rebordo,
ao retorno à casa,

...embora abandonada...ainda...Kasa!
Com garrafas d'água á louvarem-lhe
o saciar-se da sede!

Dourando os olhos na crença de ser,
embora minúscúlo; ainda....único em sua natureza,
descrente do poder,
insatisfeito com humanidades,
preocupado em navegar por buracos negros

enquanto cria galáxias,
talvez, mais interessantes do que estas...
'till bang'ng hands!


Tomorrow I think, is your birthday?

V

- Mimquégarapa!







Air Guitar:
Don't tell a soul:
07 - Askin' me lies - The Replacements



- ellipses are masks in a tram!

domingo, abril 16, 2006

Finishin' the holiday !... but 'tils rockin'!



O edônico, eferve;

feito, Sal de Fruta!



Air Guitar:
Bridge of Sighs
Robin Trower - Bridge of Sighs



Dead Flowers.




Mande-me flôres murchas,

para que eu tenha certeza
de que vivi, ontem.





Air Guitar:
Green Machine
Kyuss - Blues for the Red Sun




Vintage Mode


sábado, abril 15, 2006

Holiday'ng'n'till rockin'!...



Triste é quem não,
tem Prazer.
Louco é quem
almeja ser
o Poder!

- Poderás, então?
- Me oferecer ao menos,
- O prazer da próxima, gozada?



Air Guitar
Innocence
Rockbitch - Motor Driven Bimbo



quarta-feira, abril 12, 2006

Rockin' Before Holiday.

Perigo é ir!; ficar de pernas pro alto num mosh de quebrar o pescoço...dificil é voltar depois de ter sonhado...perdido a fronteira, derretido por maresias que vão oxidando apartamentos e aparelhos eletronicos aos redores das orlas.....decomposto e transmutado em fenixes solares, ícaras em vôo e sisífiqüas em redundâncias....binarias feito, grécia traduzindo-se em bangaladêz num pouco flexível dicionário eletrônico...on-line, maldição imortal de wolverines e higlanders, certificam-nos de que: - nunca haverá óbitos, na poesia !!! ...recompor o roteiro das paixões reescrever a história do dia, nas mesmas frases do ontem, nas manhãs de outono, um poema gago....recriar do nada o comentário das desilusões e realizações...contar estorias secretas da tristeza e do desolamento que carregamos sob o peso do amor...sobre o peso das paixões....lost in space, again!...wil robson, dr smith, gangster coreano(!)...e as tramas da rainha do rio negro ...a aventura te leva para o outro lado em composições CYMK, ou, RGB na metria ótico binária do scanner que devora fotos .....arqueologia de antepassados, outrora presentes contando sua história, cultuando seus fantasmas, como, nós agora!.... dinossauros in disguise, sad but 'till walkin'mistaking......freak outsider's, in the front of the nose .....o outro lado daqui não é própriamente o reverso, de lá, ou Será?...você é quem sabe...vou continuar achando que não há maldição nenhuma em amar!...talvez em se negar sim...dos olhos da serpente vê-se o ardor do veneno que alucina antes de matar....morre-se de alucinação ou salva-se com soro dos cavalos cobaias......fotos de mulheres nuas e a repulsa ao bizarro e inoportuno.....pornografia e polaroids...istantaneos da safada vergonha.....cumplicidade amorosa...tornar-se pessoa...perceber a existência do outro como elemento complementar ao sonho de alice e o xapeleiro louco!....wath's up!...whe only made it in the name of the money! (money is a gas)....figurinha carimbada na esquina, desconhecida para você, soul survivor....como você, falando em fonéticas o absurdo da lingua batendo nos dentes.....me impressiono com tudo que vem de você.. inclusive, a possibilidade de frequentar os lugares que você não vai e detestar a musica que você gosta.....posso vomitar isso por que sei que pode não ser o seu caminho o do amor..se for me deixo perder!....não pare-me enquanto traço esta contra mão....não pare-me de maneira alguma...there´s no way out.....coisas que não nos levam a nada como coleção de garrafas vazias de vinhos raros....que é isso?......requiens emocionais....fugazes como momentos que se arvoram porta a fora feito pé de vento descalço.....dançando e celebrando o dia...luz do sol....por de sóis repetidos em beleza, impercepítivel ao modo vivendis....de muda presença e invisivel passagem, lusco fusco desfocado no retorno ao lar....meia noites, pintadas de marketeira realidade de comerciais na tv aberta.....O som é a matéria prima do Universo.....bang in the ears...across that red clouds'n' blues lusco fusco e lampadas de cromo.....red eye!...runing in red!......de qualquer maneira resta a vida e o sentido que você carrega...lisergia em olhos magnéticos.......olhares que se atraem...the happiness 'till in a warm gun?.....então: - Salve o amor da solidão! - Salve, o amor da tristeza!....

I say when i saw'u in a midnight gambler: - who's 'till belive in God?


Air Guitar:
Secret Place
Robin Trower - 20th Century Blues

sábado, abril 01, 2006

Mantras Nucleares

Mantras nucleares, estados letárgicos da percepção,
caminhos desperdiçados nas repetições mecânicas.
Palavras sem sentimentos arremessadas aos ventos
que prenunciam as tempestades...boca seca pedindo
água para alcamar o fogo que castiga o esofago e a hipofise.

Govinda Jaya! Jaya! Gopala Jaya Om Govinda!
Om Mani Padme Hum!

A repetição mistico mecanicista desestruturando o desejo
revelando o que se dissimula por detrás de um nada
que procura se esconder da imagem que lhe encara
pelo espelho, não de almas, espelhos de dimensões virtuais
infinitos desencontros cognitivos...olhos frios encarando a si
mesmo como um sonho que se desmancha entre os dedos...

Govinda Jaya! Jaya! Gopala Jaya Om Govinda!
Om Mani Padme Hum!

preencher-se de vazios, entregar-se ao que se crê, ver,
olhar indefinidamente ao mesmo ponto esperando o momento,
a hora de explodir a velha crença de que tudo se conservará
na teoria de Lavoisier ou na relatividade da luz,
fixar os parametros da rotina e jamais perder-se por aí

Govinda Jaya! Jaya! Gopala Jaya Om Govinda!
Om Mani Padme Hum!

Repetir mantras nucleares para saber-se salvo
do que nunca precisou de perdão...repetir mecanicamente
a si próprio a idéia de poder salvar-se de si mesmo e da banalidade
de um dia vir a crer em algo que lhe de a perspectiva de um buraco negro
que lhe leve de volta daonde veio!...sem palavras, olhares
ou algo que ressoe na caixa craniana...mudo como um mantra jamais revelado
jamais pronunciado...portanto livre de ter que salvar-se de um inferno.

Govinda Jaya! Jaya! Gopala Jaya Om Govinda!
Om Mani Padme Hum!


Air Guitar
That's Life - Plan 9