segunda-feira, agosto 28, 2006

Monster (passin'n'wayrappin'blue.)


Não há niveis possíveis, caminhamos todos pelo mesmo plano! O direito de dizer "Não", é certo, e, uma boa sexualidade, faz as pessoas mais generosas e "melhormente" resolvidas....existem tantos outros pulsares em nossas inquietações que são tão ou mais vicerais que o sexo...doctors heave no face.

Cultos às Violências! Quer exemplo melhor para representar a pulsão cruel ?

Temos um longo caminho ao encontro do que há de humano, ainda estamos muito misturados com a fera (ex.; as relações de capital), temos que aprender e transformar sobre nós mesmos, a rebelião liberta o humano para se misturar à Anima kósmika. temos que faxinar a cultura pré binária industrial,{H-Ford/linha de produção}, que oprime e sufoca a essência, em nome do "produto", não há um sistema politico que nos permita libertar, não há windows à traduzir paisagens...we live like a monster in distress!

Tudo gira em torno de uma engrenagem que meticulosamente nos qualifica, numera e padroniza. ainda somos muito territoriais e isso nos impede de pensar em moto perpetuo no meio dos intervalos inerciais.

Vivemos em torno de um materialismo sufocante, temos que produzir para alimentar a quimera que criamos. numa sociedade cega a suas possibilidades, perversa aonde se faz de tudo para preservar o estado das coisas - the state of art is a lie! - não interessa mudanças, que os servos sofram a dor de sê-los, pois abrem mão da liberdade para servirem ao opressor, o poder estabelecido necessita se manter e para isso vendam nossos olhos e nos amordaçam como porcos, para não berrar-mos ao ser-mos assados vivos.

Nos roubam a subjetividade, não nos questionamos mais, perdemos a identidade, seguimos girando num rodamoinho sem sentido e desordenadamente vamos construindo nossa história....nos manipulam fazendo-nos crer no que não interessa e nos afastam cada vez mais do que somos....em nome de uma ordem que nos cria como kaos, para estabelecer-se! ...definitivamente acho que eu, need renew that old skin!

Air Guitar:
Pretend We're Dead

L7 - Bricks are heavy


I feel conected when you say my name!

terça-feira, agosto 22, 2006

Tratos à Bola! (fell the gravity pulls!)

Parece que nunca hei de secar, posso aprender a me reiventar com as delicias expostas na quitanda do japa, lá na esquina, fruits of passion que se enrugam pela sede do galho, nirás que propõem-se, reforgar-se ao azeite e alho e comporem saladas com outras folhas de um verde ecológico contrastando com morangos que vão escondendo sorrisos longícuos, disfarçando o enrubecer as faces pela cupidez da pele, afirmando a chegada da primavera nas anunciadas manhãs das vidas, e nós aqui tentando entender a luz quase dourada que pre'nuncia o outono e as avermelhadas manhãs que certamente se transfomarão ao entardecer no lusco fusco da estação.

abrobinhas verdes e amarelas fatiadas finamente mergulhadas em azeite extra virgem e o aceto balsâmico reinventando o sabor do carppacio proposto pelos mestres de uma cozinha não obrigatória aos dias de hoje a serem regadas ao molho de alcaparras e queijo parmesão.....salvando corações justificando aos regimes o mediterraneo das frutas, legumes, vinho e azeites que nunca nos negarão as portas ao rendermo-nos amorosamente a seus sabores e aromas....no corpo a exigência da docura do lar, a entrega amorosa em prol a negação do açucar nas receitas domésticas livre de quimicas....frutas e legumes negando L.E.R as repetitividades, o piscar amoroso dos emoticons....coletados nas páginas da cultura binária....distâncias geograficas separadas pela indefectível pronûncia local e celulares que nos arrebatam em meio a reuniões em minúsculas salas, num lugar sem esquinas e camelos a nos venderem ilusões paraguaias e frutas que prenunciam as primaveras destas vidas, que emudecem ao ouvir as vozes que ladinamente traduzem, ciências definitivas!

II

O Sanduba Natural Predilecto Do Japa:

2 Fatias de Pão Integral 7/12 Grãos
3 Folhas de Rúcula lavadas,
mergulhas na água com vinagre ou limão,

depois, secas no papel de cozinha
3 Rodelas Finas de tomate sem sementes
3 Azeitonas pretas Graúdas cortadas em filés
Salpicada de queijo parmesão
ralado grosso no ralador de quatro lados...rs...

- Não é fatiado é ralado!
me fala o japa rindo entre os dentes,

revelando a ciência do sanduba!
num oriental tagarelar incompreesível...
e vai pulverizando a grossa dedada
no monte de queijo,

- depois;
Rodelas de cebola
de preferência Roxas

um fio de Azeite Virgem
uma pitada da mistura
de duas partes de Acúcar

para uma de 1/3 de Sal,
ou mais se preferir....
(Quase sal de soro)

Pimenta do reino a gosto, ou não.

Modo de preparar:
Doure as fatias de pão na torradeira ou chapa,
Monte entre as duas fatias do pão

parcemoniosamente os ingredientes,
regue com o fio de Azeite Virgem polvilhe o
Parmesão e o sal de soro...etc,
Tampe com a outra fatia...Divirta-se!


Acompanha;
um vinho de sua preferência
e água mineral sem gás.

Air Guitar:
Call Me Vegetable
Frank Zappa & The Mothers...Another Band From L.A.

- Nem pensar em saquê! Né!
diz o japa "lindo" p'la espôsa,
da minha "Kala" xapada!

quinta-feira, agosto 17, 2006

'bout sex, desire'n'fantasy

I

Homo

Eu,
como Tu
Vos coloco
Nele.

II

Pan

Eu,
como tu
Reinvento-me
em Ti.

III

Hetero

Eu,
como Tu
Me entrego
à Nós.


Air Guitar:
Vicious
Lou Reed - Transformer


How side is the other side?

segunda-feira, agosto 14, 2006

Sometimes i feel like a motherless child! (Sad Song).

Há uma distância entre o que sou e o que nunca serei...um elo perdido entre a minha essência e o que imagino ser....a vida que salta de minhas crenças, a verdade e a empatia do outro...existe um silêncio na minha alma, o da letra que trava no teclado.....da palavra que não consigo dizer...expressões de duvidosa grafia que ficam perdidas no vácuo da memória, que poderiam ser sussuradas a outros ouvidos num momento romântico e que jamais atrairiam desafetuosos sentimentos... minhas mãos tremem e quase não conseguem escrever as palavras que nomeiam meus desencontros e afirmam minhas descobertas, o passo a passo do meu aprendizado.....o tutorial de minha vida que caminha por vezes na contra mão, e outras no fluxo do destino cruzando semáforos que limitam a psicogeografia local e a de outros mundos além daqui e, que paranoicamente alguns crêem, nos invadirão mais cedo ou mais tarde.....muitas coisas que sonhei não se realizaram outras aconteceram sem que percebesse, ficando estas palavras omitidas aos meus "sentidos"....não é de angústia este lamento, não há espaço quando se percebeu a muito que nunca fui o que sonhei, tudo que tentei ser sempre foi muito distante do que vi em mim e no outro...talvez seja, de auto crítica ao perceber-me como uma farsa de mim mesmo colocando-me em xeque diante destas confessas certezas, duvidando das palavras que falo e ouço...nada mudei a minha volta, os dias se passaram confusos sem que os percebe-se nas fantasias dos narcisos.... muito lutei contra o que me oprimia sem deixar nem por um momento de me sentir opresso por todo este sistema que domina a vida em nome do progresso, da ordem e o bem estar das nações, mecanismo que nos silencia e esconde a verdade num eterno jogo de dissimulações repletos de hipocrisias e interesses inconfessáveis, em nome de uma sobrevivência inútil e insossa de taxas e "impostos".


O que vejo são esperanças esvaírem-se diante dos olhos, que; tristes já não se cerram receptivos ao sono e conseqüentemente aos sonhos que criam oásis em meio a infernos pessoais.....sempre procurei entender as preciosidades religiosas e hoje só percebo; ser o olhar do conformismo e a manipulação o propagado em nome de Deus, que certamente deve se sentir muito triste com o que vê, trabalho escravo, a ideologia da violência e a brutalidade doméstica, não há mais paraísos no paraíso...não há mais o amor no sentido universal, não há mais amor a não ser o pela submissão pocessiva, niilismos à parte, isso também já virou produto para alimentar a grande máquina que nos devora como combustível para o seu desenvolvimento, os recursos que nos foram oferecidos estão escaseando e os senhores da guerra alimentam todos os tipos de terrorismos em troca do exorbitante lucro que a miserável história proporciona....os avanços tecnológicos, diz a mídia, se desenvolvem em nome de todos, na verdade aumentam a xenofobia hi-tech, e a cada dia fica maior a distância de quem joga o jogo e de quem não pode jogar, traduzindo na verdade: somos apenas massa de manobra num jogo que alimenta a empáfia dos senhores de estado, democráticamente escolhidos pela manipulação subliminar da massa que segue ao cadafalso como bois ao matadouro, enojados e assustados com os aromas do genocídio.....tristeza, não é bem isso que sinto mas estou me abandonando por não crer em mais nada, nem mesmo se descreio, creio.....descrença essa, que me direcionava para a esperança de poder mudar tudo isso, sentimentos que cri um dia...cria; ser possível reinventar-se à exaustão, a cada manhã, e que apesar de tudo ainda temos a expressão para transformar vidas em algo maior que ir a fábrica, ganhar o dia, beber cervejas, fumar uns baseados e fazer yakissoba com a galera no fim de semana ou qualquer outra coisa mais sofisticada do que essa visão medíocre sobre a felicidade que nunca chega, que nunca surge no horizonte senão por meros momentos nesta vida corriqueira de insustentável peso dos olhos, supostas levezas do ser e do esquecimento que temos que carregar para nos adaptarmos a civilização impregnada de melhores do que você, que não fazem nada nem por si mesmos a não ser xafurdarem-se no próprio regurgito das pretensões e na super valorização da personalidade, um culto obsceno de exploração do homem pelo homem....nada mais é original, o "subjetivo" não tem espaço num mundo aonde só o "objetivo" vende milhões de "unidades".



Air Guitar:
A Man-Erg
Van Der Graaf Generator - Pawn Hearts


Fuck the Past!
I'm plannin' the future!