sábado, novembro 19, 2011

Antropofagia

Por teimosia
desenho qualquer
alegoria,
por alegria,
será? que você ia?

Aonde?
me perguntaria.
sei lá, eu diria!
nem sei se hoje é o dia!

Peço à vc
que sorria,
liberte-se
antes que tardia!

meio dia ainda
não comi nada
o que me sugeriria
ao regalo da fastia.

Mas é certo
se não fosse,
alguem à esperar
ficaria.

Se o verbo
não estivesse?
o que seria?
Algo que salve o dia!

cenas, vagas
num caranaval
de porcarias e
Pornografia!

outras vezes
coisas tão inocentes
que nem você
acreditaria.

Talvez eu e você
comendo juntos
recriando dias
de folia.

sexta-feira, outubro 28, 2011

Sobre Gavetas.


a ideia era outra nem sei se bem esta. mas, era!
dizia assim sobre falta de subjetividade
carencias de ideias próprias, 
buscando por ai ideias alheias.

a palavra seduzia os dedos à um street dance,
sem prededentes...coisa de gringo,
novamente reinventada..
pagando, atestado p'ra lavousier!

De vez enquirida, a máquina rugia,
ouvia o chamado instintivo.
à uma unica verdade:
crescer, reproduzir e morrer,

Sei que, nas gavetas existem,
cuecas de elástico frouxo
e calcinhas de amantes,
que já me esqueceram.

Dizia-se dele na vanglória,
enlevado de ternura
Sou Lezado!
Mas quebro um galho!

sexta-feira, agosto 05, 2011

Memo



Escolha umas palavras, de sentido à frase, finja que ta dito o passado que se nega a passar, repetindo um engano que a esperança não cura e o otimismo começa a duvidar do porque... tenha sempre à mão a fé, e a firme crença que tudo pode ser melhor do que é pela simples incidencias de louvaveis méritos.
Outro cara me diaria algo que poderia ser diferente do que sempre compreendi como exato no meio de tantas tendencias e o sectarismo cultural que recicla cada ideia num incansavel axioma lavouseriano, nunca desdito sempre repetido com outros parametros...janelas caóticas abertas a quem quiser olhar....quando o sistema cai, congestiona a civilização.
quando acaba a energia todos saem dos seus cubiculos beje para futricar o que assucede, a lingua vai desmistificando a cena numa compreenção inadimissível, cenas de outro teatro ao qual não temos ingresso....falta luz tudo apaga por 10 minutos o nobreak apita, escandaloso a fome de energia, então amanhã nasce o sol fica claro e o sistema continua se movendo com fome de energia...nós, nós do planeta, fazem dias que nada me ocorre e outras frases ficam assim jogadas ao relento como eu e a minha low self opinion.....nem sempre é facil escolher suas soluções, imaginar é facil mas não corresponde a nenhuma expectativa alheia, no maximo empaticas nunca tão visceral como em nós.....outro dia tava tentando escrever mas sofri de gagueira não sai das primeiras silabas e as fiquei repetindo incensantemente na trava linguofaringeodental....pelo mundo vou da nascente a foz, de barquinho ou a pé pelas margens. já não me dou mais ao esforço mas, me esforço a cada dia, minuto a minuto...no almoço arroz com cenoura, ervilhas, milho e pimentão, carne de panela e batata palha, para que haveria de querer mais? senão crer que vc merece o que deseja.
a civilização é tão grande que perdeu o controle só nos resta o controle estatal....não sei se contino por prolixeria ou por teimosia, gostou é o meu batom......e mamãe reclama....gosto disso desse cenario surreal e coisa do real na interferência histórica. na falta de opção vou fazendo isso que gosto breakdance no teclado e, na ponta da caneta com gravidade interna.....no sentido da dicção diria que perdi a fala.

quinta-feira, julho 21, 2011

Quebradeira derradeira...o verso e o drama!..extdMix!


SERVIÇAIS COMPARECERÃO
à FESTA ENTORNO
DA TORRE DE VIgÍLIA
NADA MAIS SERá,
SENÃO O QUE jah É.

O VERBO REDUNDANTE
E A VIDA OUTRA COISA.

TORRADA AMANTEIGADA
COM PURRÍSSIMO MEL
Das ABELHAS,
na GELEIA REAL.

TÃO DOCE QUE
guarda seu fel,
PRÓPOLIS de mel.

DEPOIS ASSIM,
NÃO QUE GOSTE,
MAS ME OCORRE;
ACABOU O VERSO.

Feliz Navidad!

II

VERSAR

à Outros escreverei,
o esquecimento!
'stava de cruz credo!
fiz um folhetim.

quarta-feira, junho 29, 2011

Nada como um sonho depois de outro.....


Dizia assim ele de mim,
algo que não diria e,
não sei se voce tambem, 
sabe-se o que se
diz boca...à fora,

sabe-se lá 
o que se coloca
dentro da cachola,

vira palavra no
meio do verso,
assim como a busca
pela frase absoluta.


Nada se diz
da boca à fora,
senão o que a boca resolve
trazer de dentro,

nem sempre elogiosos,
nem sempre maledicentes,
mas de fato ditos!

II

è divertido,
ouvir o folclore falado,
vivido e idealizado
acontecendo que nem maquina.
enchendo garrafa
d'água aos montes e, 
a pet à imperdenir
nosso dia.

aos montes aos bilhões,
montanha de plastico,
elemento artificial à paisagem; 
real ao resto consumista.

Que nos abala!

III

Porém em outra feita
a atmosfera era limpinha,
sem mazelas metabólicas
e as unhas não padeciam de bactérias.

bancos finanaciam as
falcatruas capitais.
outro dia ainda:
- lembro andava sonhando!

domingo, junho 12, 2011

Hoje, depois de Amanhã....(Carências Afirmativas)



Eles, nos advertem:
O amanhã provavelmente virá.
O passado cumpriu sua história.
Agora, só resta ao olhar: Presentes.

quinta-feira, maio 19, 2011

Elocubrações.



Dizia Leonardo:
- A musica é a arte perfeita!
digo eu:
- Concordo!

II

Mulher fatal.

Você é!
suja e doce;
Querida!

III

Me ocorreu.(insigth banal).

anorexia pode ser
perversões,
da pulsão sexual.
...será?

IV

.quaternas#33

sei lá!
Não quero,
ficar magrelo!

quinta-feira, abril 21, 2011

Some day Agripino say :


principia,
liberdade,
não ser liberto
ou libero.


terça-feira, março 29, 2011

Engenharia Reversa!




Seria, entremeios
de velhas e novas escolas,
conflitos em motos perpétuos
entre a ânsia e a intolerância.

Big Bang artificial.
em aceleradores de partículas,
simulando universos virtuais
coerentes ao modelo do acelerador,
especificado na etiqueta,
na parte de trás ao lado 
do código de barras
e o numero de série...

- GET! Yours!
for Free!

Diz um cara,
de dentes alvejados
na TVHD.

Pouco sabemos, sobre
o muito que nos cerca.
muito sabemos sobre,
o que nos é estranho,
pouco ào intímo.

Sabe-se que a maturação
do genesis levou sete dias
e outros,
sete para a desconstrução.

Sabe-se, quando entenderemos
essas interações Kaoticas.
ficaremos exasperados na cena,
compondo palavras, olhando ao óbvio,
na maneira do olhar de cada geração,
sucessivamente até percercebermos
que não precisamos entender nada.

Anima Mater,
anima....
Anima Mundis!
(á exaustão).

domingo, março 27, 2011

Talvez amanhã eu passe uma vassoura!


Lunátiko, sádico apatico,
assim lhe parecia a vida
não, que não ligasse,
mas achava legal porvir-se
de outras chances.

Não como sempre,
anunciando o novo
dia de ontem e o
premio de melhor do ano
no tapete vermelho.

Farsa midiadica
coisa pra vender
sabonete barato.
e carros aos montes.

esperava sim,
na esperança de manhãs,
com bem-te-vis
e trinca ferros.

versos inacabados,
xícaras de café frio..
garrafas de vinho
espalhadas pela casa.

Precisamos nos,
acostumar com a solidão,
estamos sempre precisando,
acostumarmo-nos à algo.

sábado, março 26, 2011

Ruim!


Deus me fez
ruim.
Por bondade!

quarta-feira, março 23, 2011

Palavra, tal e qual!


A palavra é tal e qual,
se fala;
xula!, Vazia!
Vadia!

segunda-feira, março 21, 2011

Como Estamos....



Estamos assim;
aquém dali,
além de cá.

Estavamos assim;
quase relapsos 
sobre direita
e esquerda...

Fazendo cena emergente
no palco Colonial,
cidade de deuses e
discursos ào Municipal.

Assistiamos assim,
posando de Jackie "K".
vestindo a camisa rubro negra
fazendo cena simpática
para o jornal local.

De pé frio,
suspenderam o boneco
falando assim
o jogo tá armado,
ele de chapeu na mão
de olho no pré-sal...
crendo que vai ser sopa!

Seu sorriso "xis"
revela a trama asssimétrica
verde, amarela e azul,
p'ra nos conquistar.

Arrepender-se do arrobo,
de ao publico discursar,
superstar...aos míseros
cultuadores de personalidade
viciados em midia e T.Vs 3D!

Celebridade, gravada em
maquinas digitais,
dos clones que fazem pose
e cobram-lhe alguns cascalhos..

Jurando à ti,
Que, são sempre:
- Mais você!

sábado, março 12, 2011

Novas alternativas para velhas fonéticas!



Dirias o que sobre, outras poesias,
que não sei compor,
Me diria; sobre ouvir outras palavras?.....
se há, que há, sentido à outras palavras!

dizia assim, talvez amanhã
direi outras coisas,
diferentes de adeus e hierogliphos
cada qual carrega a fantasia que escolhe...
deixa pra lá a cor da blusa!
manda ver na kamaradagem...
não sei mais escrever!

legal, finalmente não sei mais nada!

não saber é a necessidade
do principiar o vir a fazer!

será_vil!
será_sei_lá....

boring
fuck
dead.

Sei la eu,
o "Q"
sei lá.

mas vamos lá
salve! o que nos salva
da intriga!

Sabe-se o que nos engana....
Sabe-se lá o que.
Quem sabe esquece o verbo
reescreve o TAO,
reinventa o esquecido.

quem sabe amanhã
não me arrisque a sonhar
de novo o dia a dia....pizza no portão;
um mundo cor de rosa!..porta á fora".

sei lá por onde....

Então tá!...
....invisto no sei lá...
- tá legal?

sei lá!

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

de outro lugar!.....



sabe? eu vinha ali
percebi que havia um: aqui!
dei de cara com a realidade
preferi dormir alí
do lado de lá,
virado p'rá cá!

Acordei de manhã Revirado!

domingo, janeiro 23, 2011

Autofagias e outras práticas esporádicas......Bodies mix#33!


os olhos a cada vez,
não enxergam as mesmas coisas.
mudam ao refletirem
a metabolica luz!

cada tolo cria
teorias particulares
sobre a tolíce!

um jaguar de fogo
um dálmata do demo!

um corpo em degenerada coporse.

D.M.F.D.!

quinta-feira, janeiro 20, 2011

Sanar-se-á


Calado por verbos,
compostos,
ao fim da língua.