terça-feira, fevereiro 26, 2008

the esquizoz never dye

Não tem palavra, se não tem verbo,
concordância, dissonância verbal
qualquer coisa como;
acordar suado as 3 da manahã

sem ao menos ter escolhido sobre
o que renunciar em nome duma nova cor!

Verde, talvez salvasse o mundo
quem sabe vermelho

talvez o apaixonasse,
se ... amarelo talvez o kurasse

para o laranja fundindo a paixão e o amor,
o elevaria a lilázes e aos purpúreos

roxos de paixão sobrecarregados
de universos jamais desvendado

...ou desvendarão-se, basta querer olhar.
No que será que creem tuas minhokas?
What's your favorite color?

Porque cor favorita, porque cor?
se tentam o tempo inteiro mostrarmo-nos
o cinza das desavenças,
o mapa do medo e a psicogeografia local,
quem sou eu para querer alguma coisa?

será que assim
fico amarelo feito
queijo prato,
perolado que
nem margarina
ou manteiga?

verme temeroso
de vermicidas!

Quem é que fala o teu esperanto?


Air Guitar:

on a pale horse
sound the alarm
A new day yesterday!

Nenhum comentário: