quinta-feira, dezembro 28, 2006

Tesouros Da Juventude - Vol. V

ESQUIZOFONIA - R. Murray Schafer

O prefixo grego schizo significa cortar, separar. E phone é a palavra grega para voz. Esquizofonia refere-se ao rompimento entre um som original e sua transmissão ou reprodução eletroacústica. É mais um desenvolvimento do século XX.

No princípio, todos os sons eram originais. Eles só ocorriam em determinado tempo e lugar. Os sons, então, estavam indissoluvelmente ligados aos mecanismos que os produziam. A voz humana somente chegava tão longe quanto fosse possível gritar. Cada som era individual, único. Os sons têm semelhanças entre si, a exemplo dos fonemas que se repetem numa palavra, mas não são idênticos. Testes mostraram que é fisicamente impossível para o ser mais racional e calculista da natureza reproduzir duas vezes exatamente da mesma maneira um só fonema de seu próprio nome.

Desde a invenção do equipamento eletroacústico para a transmissão e estocagem do som, qualquer um deles, por minúsculo que seja, pode ser movimentado e transportado através do mundo ou estocado em fita ou disco para as gerações futuras. Separamos o som do produtor de som. Os sons saíram de suas es naturais e ganharam existência amplificada e independente. O som vocal, por exemplo, já não está ligado a um buraco na cabeça, mas está livre para sair de qualquer lugar na paisagem. No mesmo instante, ele pode sair de milhões de buracos em milhões de lugares públicos e privados, em todo o mundo, ou pode ser estocado para ser reproduzido em data posterior, talvez centenas de anos depois de ter sido originalmente produzido. Uma coleção de discos e fitas pode conter informações de culturas e períodos históricos completamente diversos, que pareceriam, a qualquer pessoa de outro século que não o nosso, uma justaposição surrealista e sem sentido.

O desejo de deslocar os sons no tempo e no espaço tem sido observado de algum tempo para cá na história da música ocidental, de modo que os recentes desenvolvimentos tecnológicos foram simples consequência de aspirações que já haviam sido efetivamente imaginadas. O secreto quomodo omnis generis instrumentorum Musica in remotissima spacia propagari possuit (pela qual todas as formas de música instrumental podem ser transmitidas a lugares remotos) foi uma preocupação do músico e inventor Athanasius Kircher, que discutiu pormenorizadamente o assunto em sua Phonurgia Nova, de 1673. Na esfera prática, a introdução da dinâmica, os efeitos do eco, a separação de recursos, a separação entre solista e conjunto e a incorporação de instrumentos com qualidades referenciais específicas (trompa, bigorna, sinos etc.) foram tentativas de criar espaços virtuais que fossem maiores ou diferentes das salas acústicas naturais, do mesmo modo que a pesquisa da música folclórica exótica e a quebra do tempo para a frente e para trás para encontrar novos ou antigos recursos musicais renovados representam um desejo de transcender o tempo presente.

Quando, depois da Segunda Guerra Mundial, o gravador fez incisões em um possível material gravado, podia-se cortar qualquer objeto sonoro e inserí-lo em qualquer novo contexto desejado. Mais recentemente, o sistema de som quadrifônico tornou possível uma paisagem sonora de eventos sonoros estacionários ou em movimentos de 360 graus, o que permite simular no tempo e no espaço qualquer som do ambiente, como também permite a completa transposição do espaço acústico. Qualquer ambiente sonoro pode agora transformar-se em qualquer outro ambiente.

Sabemos que a expansão territorial dos sons pós-industriais complementaram as ambições imperialistas das nações do Ocidente. O alto-falante também foi inventado por um imperialista, pois respondeu ao desejo de dominar outras pessoas com o próprio som. Do mesmo modo que o grito dissemina angústia, o alto-falante comunica ansiedade. "Não teríamos conquistado a Alemanha sem...o alto-falante", escreveu Hitler em 1938. (1)

Cunhei o termo esquizofonia em A nova paisagem sonora (2) pretendendo que ele fosse uma palavra nervosa. Relacionando-o com a esquizofrenia, quis conferir-lhe o mesmo sentido de aberração e drama. Na verdade, a destruição dos dispositivos hi-fi não somente contribui generosamente para o problema do lo-fi como cria uma paisagem sonora sintética na qual os sons naturais estão se tornando cada vez mais não-naturais, enquanto seus substitutos feitos a máquina são os responsáveis pelos sinais operativos que dirigem a vida moderna.

1. Ohne Kraftwagen, ohne Flugzeug und ohne Lautsprecher hätten wir Deutschland icht erobert, Adolf Hitler, Manual of the German Radio, 1938-1939.

2. Publicado como um pequeno livro sobre audição e educação musical, A nova paisagem sonora foi, mais tarde, incorporada ao livro O ouvido pensante (São Paulo: Editora UNESP, 1991/1996), do mesmo autor, como um de seus capítulos. (N.T.)

Este texto é parte do capítulo A Revolução Elétrica do livro A Afinação do Mundo (São Paulo: Editora Unesp, 1997, pp. 133-135), do músico e estudioso R. Murray Schafer.

Air Guitar:
System Manipulation
Discus - Tot Licht

Fonte: Rizoma.net

terça-feira, dezembro 26, 2006

Psicogeografia.... (Mantracks!)


Meu rosto as vezes é acromatoso
como minha cara acanhada
sem saber aonde esconder
a expressão do olhar a intimidar-se,
outras vezes vermelha como quem
não consegue reter
o "emergere" histamínico,
o excesso de adrenalina
e a ironia das sombrancelhas
desmascarando meus sentimentos
algumas vezes me chamo algara,
outras illecebrus,
me doi ver o sangue derramado
nas revoluções que instauram estados
que preconizam que há democracia,
fome, salario mínimo, cestas básicas
e cheque cidadão....
atestando que não há trabalho para todos
e que o show da produção precisa
dos centavos que já não tenho,
e que não consigo colecionar
dentro de um porco de barro,
vendido pelas esquinas da Buenos Aires
por desesperados como eu....
em busca do hortifruti semanal
e do açougue diário,
apenas 100 gramas de "solens green"
embrulhada no papel de carne seca.....

Meus olhos às vezes parecem foscos
como os de quem não pode
mais comprar soro e insiste em
usar lentes de contato....
living'n the cancer industry.....
aprendo a me arrepender
de ter aprendido o que aprendi,
das palavras de meu pai,
do sabor do leite
das tetas de minha mãe e
de minhas dúvidas adolescentes
desesperadas tentando entender
a metabólica imaginística
do agraúdar-se.
hoje, me parece tudo tão igual....
como quando o niilismo chegou
anunciando a maturidade,
a morte hormonal,
e a oxidação sanguinêa.
feito chapa de casco de navio
exaurida pela maresia e, pela craca.
safa por conhecer a temperatura
de mares habitados por icebergs
propocionalmente opostos aos seus picos.
estrelas num show educacional ao amanhecer
logo após a noite fugidia,
escapar do sol que sorri luz
aos famintos
e, escorre no filtro solar
da pré envelhecida, pele anserina
pelas orgias debaixo do sol,
em um estado que
se instalará aos mínimos
pontos cartográficos no solo,
desta galáxia canibal.

II

Nos solstícios
estacionários entre,
os invernos e os verões
avassalam as solidões!
confessas na voz;
d'uma aneja primal,
esbravejando enlevada:
- Deus é fiel! da manhã à noite."
resta crer nisso?,
na certeza da decapitação?
enquanto um poeta sonha,
meus olhos giram nervosos
em torno das suas
órbitas anomalísticas.


Air Guitar:
The Whores Hustler And The Hustler Whores
PJ Harvey - Stories From The City, Stories From The Sea

Porra! tá o maior kalor!

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Ninguém

Ninguém
Zé Felipe & Renato Pittas

Karalho!

Eu não sou ninguém
e você é quem ?
Eu sei que eu
posso ser qualquer coisa
mas, eu não sou ninguém,
quem me deu essa voz
p'ra afirmar isso?

Eu não sou ninguèm
e você é quem, Kara?!

Não há corpo
no meio desta voz,
só farsa;
- Falsete!

não fode kara!

Eu não sou ninguèm
e você é quem?!

Saia de seu carro
venha discutir
neo-capitalismo,
socialismo e os
"taos" comunistas, que
devem ser dos jovens...

Não Fode!
Você é Gay,
homophobiKú?
Você é quem?


Eu não sou ninguém e,
você é quem!
Você é quem?
hahahaha! eu
não sou ninguém!

Karalho!

Péra aí, kara!

Nessa história toda
quem é quem?
se, o ninguém sou eu.
Você tem que ser
alguma coisa;
- Kara!
Quem é você?
se você não é eu.
Você é quem Kara?
se eu sou ninguém
Você pelo menos;
- é quem Kara?!!!!!

Eu não sou ninguèm. (?)
E, Tu é quem?!!

Air Guitar:
Ninguém
Zé Felipe & Lêdo Engano
O Rosto no Espelho Pertence a quem?


II


Arcanjo:

Nú! vens,
em música
e luz solar!

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Tesouros Da Juventude - Vol. IV




Maionese - Zé Urbano

O mundo é uma pequena caixa
dentro tem pequenas pedras,
ilhas num mar de maionese.

Maionese...

A gaivota sai voando e eu a vou olhando,
voa contra o sol e assim me ardem os olhos.
Momentaneamente cego e desnorteado vago;
repentinamente pombos me bombardeiam.

Meu consolo é um pão com maionese.

Pão...

O mundo é um mar de maionese
contido numa pequena caixa;
dentro tem pequenas ilhas,
pequenas pedras num rochedo.

O mundo é um rochedo...

E como é bão
macarrão com feijão
cozido numa panela de pressão
da marca Rochedo.

Macarrão com feijão...

Air Guitar:
Do You Want New Wave Or Do You Want The Truth?
Minutemen - Double Nickels On The Dime

Pic: Zé Felipe.

quarta-feira, dezembro 13, 2006

2:1


Tema para uma doença imaginária!
....Orthotanasia extended play!


Atravessando mares,
um possível naúfrago ansiando por sobreviver
ao ambiente insalubre e a falta de sushis.

(please, stay away; - drink another sakê!)

cruzando dias através desta doença
que me consome aos poucos e que sequer
ainda me deram um diagnóstico.

as dores me alvitam
os analgésicos já não fazem mais efeito
os doutores perdem seus rostos e,
meus braços já não tem mais espaço
para os furos das agulhas de soro.

minha traqueia quase separa
meu pescoço da cabeça que,
ja não sustenta o colar de pérolas
que enfeitaram as bodas de minha felicidade...
tô ansiando pelo ar que já não inspiro
pelas ressecadas e desérticas narinas
que não traduzem mais nada ao plexo solar
já não adiantam yogas.

Here!
there no more pelvis
no more elvis!,
no more hip shakes!

o espetáculo da medicina me mantem
preso a estes cabos e plugs
enquanto essas doenças me consomem
e, eles sequer me garantem,
novas idas ao super mercado;
um verme devorando a si mesmo.

ninguém, antropofagia,
redundância pulsional,
conflito catártico entre eros e tanathos,
guerras psicológicas,
ausência de possibilidades curativas.

a morte bate em minha porta e
me consome a cada minuto,
misturando ao metabolismo químicas
que não me traduzem ou
sequer causam prazer,
ao que ainda resta.

neuros sensores que não captam o que é ser
depressão de uma morte
que não chega a ser negra
mais que fazem crer na peste
dizimando tudo em volta,
por onde passo, no que toco....

o corpo na decadência estrutural,
o verbo na pior fonética que ouso falar.
se me ver por ai, não queira
saber porque estou desistindo
não queira crer que há
possibilidade de sobrevida
na falência que sequer decretei.

...i try to pray!

me deixei levar na crença dos heróis
que me ofertam destemores,
durante a sessão da tarde,
num dia de vagabundagem
e, depressão avassaladora.

....do outro lado.

vejo o sol brilhar e a lua a me encantar!
mas, já não creio, pois;
sei de meninas violentadas por imbecis
e imbecis que maltratam crianças,
assasinando friamente a vida efervecente....

quem nega o afeto por violências;
assina infâncias e etéres essênciais,
tolhe o desenvolvimento emocional.
é pior que estar aqui, doente. podre!
tomado por bactérias vorazes e;
pesares, imaginando...
O ainda patético!

II

Doce....(anabolic remix!)

quem sabe a boca
não se preencha de saliva
para saciar a sede do outro.

before i die...
i will kiss the world!

- good bye!

Air Guitar:
Ain't No Grave Can Hold MY Body Down
Diámanda Galas - La Serpenta Canta


Do you realy belive there's no had
a free mind in the world?

quinta-feira, novembro 30, 2006

Miséria (Love, Sex'n'Death extended version)


Talvez eu morra

de fome, conteúdo ou,
do diabo à quatro, talvez,
eu morra de novella.

eu quero microfonia;
mísera miséria,
eu quero microfonia!

Dinâmica
microfônica-televisiva,
a grande familia
e o dia que passou!

Miséria!

Cadê a microfonia
que não acontece?

- Miséria.

D' outro lado,
talvez alguem morra
de frio, sede
de fome...desejo.

Miséria!

Air Guitar:
Miséria! - Ledo Engano
O rosto no espelho pertence a alguem.


- "Não falta homem, falta é amor"
Pri com oito furos nos joelhos,
filosofando numa mesa de bar.

peixinho na novella!

quarta-feira, novembro 29, 2006

Tesouros Da Juventude - Vol. III


Ela felicidade de Lois

Air Guitar:
When you rock'n'roll with me
David Bowie - Diamond Dogs

Olha essa menina!

quinta-feira, novembro 23, 2006

quarta-feira, novembro 22, 2006

Eu quero Paracetamol!...(where the roadie crew?)


Sexo & paracetamol
são coisas que meu corpo
e cérebro precisam para
esta dor de cabeça
deixar de ser o assustador
alarme do derrame fatal...

se não se curar
com partacetamol....
então nem
sexo & Drogas & Rock'n'Rolll.....
não vão resolver.
vou botar mais um "elle"
pra ficar triplificado
feito meu novo terno que me deixa
bonitinho, igual ao paul simon ou
pete townshend, mood
pedindo remédio aos roadies....

eu quero paracetamol.

Se isso são coisas
que você não gosta!
olha pro meu paletó
moderninho, sem gola
que nem o do ray davis
parece até que:
u really got me!
escrito errado da
maneira do acaso!

Não importa a canção
e as redundantes verboses
that rapping tongue
i know the buziness that
you don't like to do.
see my tailor 'nd your pincushion

Now, i was john peel!
ligado di enxaqueka!
procurando analgésicos!
numa caixinha de remédios
estampada com desenhos
de flores astrais.




Air Guitar:
Sex&Drugs&Rock&Roll
Ian Dury And The Blockheads

Quer ver suruba de ácaros?
vá ao acarário!


sexta-feira, novembro 17, 2006

Tesouros Da Juventude - Vol. II

Direito ao Delírio - Eduardo Galeano
Extraído do livro "De Pernas pro Ar — A Escola do Mundo ao Avesso"
Editora L&PM - Tradução de Sérgio Faraco.


Já está nascendo o novo milênio. Não dá para levar muito a sério o assunto: afinal, o ano 2001 dos cristãos é o ano 1421 dos muçulmanos, o 5114 dos maias e o 5761 dos judeus. O novo milênio nasce num 1.º de janeiro por obra e graça de um capricho dos senadores do Império Romano, que um bom dia decidiram quebrar a tradição que mandava celebrar o ano-novo do começo da primavera. E a conta dos anos da era cristã deriva de outro capricho: um bom dia, o papa de Roma decidiu datar o nascimento de Jesus, embora ninguém saiba quando nasceu. O tempo zomba dos limites que lhe atribuímos para crer na fantasia de que nos obedece; mas o mundo inteiro celebra e teme essa fronteira.

Um Convite ao Vôo

Milênio vai, milênio vem, a ocasião é propícia para que os oradores de inflamado verbo discursem sobre os destinos da humanidade e para que os porta-vozes da ira de Deus anunciem o fim do mundo e o aniquilamento geral, enquanto o tempo, de boca fechada, continua sua caminhada ao longo da eternidade e do mistério.
Verdade seja dita, não há quem resista: numa data assim, por arbitrária que seja, qualquer um sente a tentação de perguntar-se como será o tempo que será. E vá-se lá saber como será. Temos uma única certeza: no século 21, se ainda estivermos aqui, todos nós seremos gente do século passado e, pior ainda, do milênio passado.
Embora não possamos adivinhar o tempo que será, temos, sim, o direito de imaginar o que queremos que seja. Em 1948 e em 1976, as Nações Unidas proclamaram extensas listas de direitos humanos, mas a imensa maioria da humanidade só tem o direito de ver, ouvir e calar. Que tal começarmos a exercer o jamais proclamado direito de sonhar? Que tal delirarmos um pouquinho? Vamos fixar o olhar num ponto além da infâmia para adivinhar outro mundo possível:

o ar estará livre de todo o veneno que não vier dos medos humanos e das humanas paixões;

nas ruas, os automóveis serão esmagados pelos cães;

as pessoas não serão dirigidas pelos automóveis, nem programadas pelo computador, nem compradas pelo supermercado e nem olhadas pelo televisor;

o televisor deixará de ser o mais importante membro da família e será tratado como o ferro de passar e a máquina de lavar roupa;

as pessoas trabalharão para viver, em vez de viver para trabalhar;

será incorporado aos códigos penais o delito da estupidez, cometido por aqueles que vivem para ter e para ganhar, em vez de viver apenas por viver, como canta o pássaro sem saber que canta e como brinca a criança sem saber que brinca;

em nenhum país serão presos os jovens que se negarem a prestar o serviço militar, mas irão para a cadeia os que desejarem prestá-lo;

os economistas não chamarão nível de vida o nível de consumo, nem chamarão qualidade de vida a quantidade de coisas;

os cozinheiros não acreditarão que as lagostas gostam de ser fervidas vivas;

os historiadores não acreditarão que os países gostam de ser invadidos;

os políticos não acreditarão que os pobres gostam de comer promessas;

ninguém acreditará que a solenidade é uma virtude e ninguém levará a sério aquele que não for capaz de deixar de ser sério;

a morte e o dinheiro perderão seus mágicos poderes e nem por falecimento ou fortuna o canalha será transformado em virtuoso cavaleiro;

ninguém será considerado herói ou pascácio por fazer o que acha justo em lugar de fazer o que mais lhe convém;

o mundo já não estará em guerra contra os pobres, mas contra a pobreza, e a indústria militar não terá outro remédio senão declarar-se em falência;

a comida não será uma mercadoria e nem a comunicação um negócio, porque a comida e a comunicação são direitos humanos;

ninguém morrerá de fome, porque ninguém morrerá de indigestão;

os meninos de rua não serão tratados como lixo, porque não haverá meninos de rua;

os meninos ricos não serão tratados como se fossem dinheiro, porque não haverá meninos ricos;

a educação não será privilégio de quem possa pagá-la;

a polícia não será o terror de quem não possa comprá-la;

a justiça e a liberdade, irmãs siamesas condenadas a viver separadas, tornarão a unir-se, bem juntinhas, ombro contra ombro;

uma mulher, negra, será presidente do Brasil, e outra mulher, negra, será presidente dos Estados Unidos da América; e uma mulher índia governará a Guatemala e outra o Peru;

na Argentina as loucas da Praça de Mayo serão um exemplo de saúde mental, porque se negaram a esquecer nos tempos da amnésia obrigatória;

a Santa Madre Igreja corrigirá os erros das tábuas de Moisés e o sexto mandamento ordenará que se festeje o corpo;

a Igreja também ditará outro mandamento, do qual Deus se esqueceu: "Amarás a natureza, da qual fazes parte";

serão reflorestados os desertos do mundo e os desertos da alma;

os desesperados serão esperados e os perdidos serão encontrados, porque eles são os que se desesperaram de tanto esperar e os que se perderam de tanto procurar;

seremos compatriotas e contemporâneos de todos os que tenham aspiração de justiça e aspiração de beleza, tenham nascido onde tenham nascido e tenham vivido quando tenham vivido, sem que importem nem um pouco as fronteiras do mapa ou do tempo;

a perfeição continuará sendo um aborrecido privilégio dos deuses; mas neste mundo confuso e fastidioso, cada noite será vivida como se fosse a última e cada dia como fosse o primeiro.

Air Guitar:
Basic Laws
Miroslav Vitous - Magical Shepherd

"Não há nada tão estúpido como a inteligência orgulhosa de si mesma".
- Mikhail Bakunin -

terça-feira, novembro 14, 2006

Tiles

Meu pé cabe na diagonal d'um azulejo
não muito grande nem pequeno, do tamanho
da minha imaginação e do silêncio premeditado.
Céus prateados tonalizando dias de vinho e ira,
dia de lavar e pendurar a roupa sem prendedor
no fio 12 esticado de um lado para o outro,
e "torcer" para que ela seque até amanhã.

Parece que cabe na decoração azulejos brancos
misturados com os pintados a mão
comprados num brexó ao pé da favela e
colocado por um pedreiro recomendado
pelo primo do cunhado da esposa d'um amigo de copo no
pé sujo ao lado do ponto de onibus debaixo do viaduto
....como sendo o homem do prumo.

Azulejos são peças que forram paredes e pisos
de cozinhas, banheiros e quem sabe da casa toda
tornando mais facil a manutenção, lhe ofereçendo
mais tempo para você namorar
e fazer com que a vida daquele outro
seja mais divertida e ele mais sorridente.

Um quadriculado kitsch, preto e branco,
pega muito bem num azulejado de stand
que vende consórcio de motocicletas
e aquelas lambretinhas, (scooters), ridiculas
que são o sonho de adolescentes abonados
que tiram boa nota e fazem pirraça
quando tem que comer beterraba com feijão,
fingindo que vão vomitar o tédio no seu pé.

Recondicionam-se paredes de azulejos
de épocas passadas, para recontar a história
de alguem que salva o amor da solidão e da tirsteza,
e, por quem você faria quase tudo...
até acordar de mau humor....sorrindo.

desça daí, desfaça-se da fantasia,
pise nos azulejos frios & perçeba que algo mudou,
que o tempo passa declarando manhãs,
caminhos a nos trazer de volta para casa
depois de se escapar
pela esquerda ou pela direita,
.....não importa!

i live my loneless waiting for tomorrows!


Air Guitar:
Road Runner
Aerosmith - Honkin' on Hobo

"O objetivo dos Governos é sempre o mesmo:
limitar o indivíduo, domesticá-lo subordiná-lo, subjugá-lo".
Max Stirner

sexta-feira, novembro 10, 2006

How To Be Lymphatic When We Apologized?

Um colar de pérolas negras
adormecido sob um colo que abriga
a meia taça da sedução in a killer lingerie,
que 'tava, escondida no armario
de baixo de alguns esqueletos
de um alfarrábio que já é vulgar.

meias noites, velas & pavios azuis de o.b.
liberando a pagã festa infertil,
e padeceres em paraisos góthicos
na tonalidade tonal, lacuna coil,
sonhos de nigth wisher's, nigth children´s,
'nd the obsolets sins of a fake vampire...
ácaros carnívoros nos jantando no meio da madruga
suss_urrando zumbidos e palavras já ouvidas ao vento,
esquecidas pelos muzak's que tocam nos elevadores.

....desalentos redundantes
que já não mais nos impressionam!
indiferença ética a qualquer estética.

Olhar negro em meio a mechas lilazes
tingidas com os desejos da paixão
lusco fusco, love song's do outono relembradas
no meio desta primavera quase; verão.....

Corpos de deusas se debruçando,
como o de camponesas...

nos trigais das trevialidades trovadas....
vadias gozando, sem parar...
reinventando o tudo, num instante!


II

"Greensleeves was all my joy
Greensleeves was my delight,
Greensleeves was my heart of gold,
And who but my lady greensleeves."

(http://en.wikipedia.org/wiki/Greensleeves)

III

Um dia pérolas, não valerão mais nada!
Proteínas, fibras & isotônicos
serão o motivo das riquezas,
mas não conseguiremos dizer, que
nunca mais vai haver amor!
pode até vir a ter outros nomes
mas, vai sempre ter que ter
a "doidera" de ter tesão.!

Viver de Silício-Carbo-Hidratado (?!)
Gozo virtual.....energia
para os recarregadores de pilhas....

como os vendidos hoje em dia nos
camêlos que se encostam pelas,
esquinas desta babilônia binária.

Air Guitar:
Unhealthy Oyster (How To Be Lymphatic When We Apologized?)
Ledo Engano - Verbose Output


Estoy hoy con ganas de ti.

terça-feira, novembro 07, 2006

Verbose Output II - (Falação Mix)

Fala Logo!
Fala Logo!
O que tu veio,
p´rá falar!


Air Guitar:
Nescau
Zé Urbano - (A)

Hem? não ouvi direito?

sexta-feira, outubro 27, 2006

Tesouros Da Juventude - Vol. I

Agalopado - Alceu Valença.


Quando eu canto o seu coração se abala
Pois eu sou porta-voz da incoerência
Desprezando seu gesto de clemência
Sei que meu pensamento lhe atrapalha

Cego o sol seu cavalo de batalha
E faço a lua brilhar no meio-dia
Tempestade eu transformo em calmaria
E dou um beijo no fio da navalha
Pra dançar e cair nas suas malhas
Gargalhando e sorrindo de agonia

Se acaso eu chorar não se espante
O meu riso e o meu choro não têm planos
Eu canto a dor, o amor, o desengano
E a tristeza infinita dos amantes

Don Quixote liberto de Cervantes
Descobri que os moinhos são reais
Entre feras, corujas e chacais
Viro pedra no meio do caminho
Viro rosa, vereda de espinhos
Incendeio esses tempos glaciais.


Air Guitar:
Jesus Loves You... But I Don't
The Almighty - Powertrippin'

O tempo vai passando e eu vou ficando!
Não lembro de quem disse isso.

quarta-feira, outubro 25, 2006

Texto para colecionar quinquilharias e expulsar esqueletos do armário

- A quem pertence o conhecimento?....Suponho a humanidade, ou se preferir d'uma-unidade é tudo humano, tudo igual, cumplicidades que identificam idéias, calam a pulsão cruel do coração, tatuam-se num estudio suburbano...posam de artistas ocasionais, dizem palavras mitificando o mito da pele....de outros lados o poema pinta-se de rosa ao azul que traduz o céu!...{Viceraliza-se}.....testemunha-se, céus incriveis! ....qual a palavra no texto que traduz os anjos que nos calam profundamente, saindo à francesa sem falar nada, sem marcar território?....qual a verdade no meio desta mentirada?.....sometimes i think blue, e, não mais me importo com as abelhas mortas sobre o bolo...sugar blues..grudadas no glacê.... gordurosas & corrosivas para o deleite de palatares, bi-celulares......pallas cumprindo seu papel mitológico para que antropológos se ensandeçam com a possilidade do colapso nervoso & um anti bang...fatal...revelando ao mundo, o que virá!....surto obscuro no meio da manhã...pandemoniuns...palavras que nunca mais lerei no seu blog.....a canção é boa e o verbo flui delicado...sussuro de amantes teclando, fantasias...palavras universais à orelhas alheias....quimeras sussurando fonemas de qualquer maneira...mentes binárias desafiando o genoma etéreo...outras palavras de novo, no meio dos outros plágios de quando o óbvio pareceria-nos ter sido só......perda de sentido.....desorientação libidinal...seek'ng for tomorrow's parties!

Air Guitar:
With A little Help From My Friends
Joe Coker - Woodstock.


Say, me; a emotional jihader:
- Reinventar o Imaginário!

ii

\ - "Aperriar, Os Demônios,
Que Habitam as Catedrais!"/.

sexta-feira, outubro 20, 2006

O dedo indica o nada!...(pupilar elektronik instantaneous polaroid mix! overview!)

I

Tenho me divertido, praticando boca suja, dificil de ouvir, fonética cheia que não diz nada senão. - À Kilos o que, aquilo é...palavras soltas sobre momentos segmentando a informação, crendo, criar estabeleceres emocionais....um cego atravessando o fogo amigo, esperando pelo fogo cruzado que virá....wearin' shades durante a madrugada por ter a visão obscurecida por saber d'um futuro tão "brilhante", que, para as estrelas só resta; maquinas digitais de E$26,68; de foco fixo!....a dead leter's office...Testemunhos de uma decadência, decadententemente anunciada desde os leões famintos nas arenas e os bacanais da antiguissíma cidade queimada por quem hoje...burn cd'n'dvds, V.7.0....amortecidas pelo zazen dos amortecedores a gás de pressão automatizada contra buracos jurássicos no retorno de casa!..&, anti buffer over run!...matando a pau, á 3x4!

II

- Think in me like you, flated at 72 dpi's..na compressão 19:1.jpg...ismo feito mochilismo, estrada vencida a dedo, descolando um prato feito por dia e grana para a hora da lan house......hehehe! diriam os enxarcados de vinho de camponês, dig't in a nigth train!......tanino a amarrar a lingua no céu da boca e o badalar seco da campainha ao fundo da garganta.....erotismos à parte, lovesex'n'death!..e mais todos os impropérios que o imaginar...imaginar!...desde, cropolália emocional, até renascer sem crer aonde se está e como recém nascido, ter a percepção do amor materno & o eco estranho da voz paterna, a atazanar estes ouvidos ainda novinhos.....tirando carona num vôo de phenix reacesa pela boca d'um vulcão latino amerikano. Falsa ruiva, euro-trash girl, de saco cheio de fazer dieta e se chapar de insulina...genérica.

III

O senhor da servidão são os interesses. Senão os realizamos buscamos saídas para os submetê-los, banalizando-os; criamos as condições para a aceitação objetiva...Fetiche espetacular....cheio de azia pedindo pepsamar na farmácia da fabrika.

- If you hear rumors 'bout me...
- take me down to the infirmary!


Air Guitar:
Moom Stoned
Ledo Engano - Verbose Output

Hot money'n'junk sex!

terça-feira, outubro 17, 2006

Biscoito de waffle coberto de chocolate amargo!......(não recomendado para desdentados.)

Copo de boca pequena que nem o nariz cabe dentro, a descer o vinho guelas à dentro; kale-se!....olhos disfarçados pelo himmel de sereias que encantam navegadores desavizados...flooded por cavalos de troya, silencios ocultos nas alcovas, olhos d'água telescópicos olhando ao léu, peixe espião overnight'r inconsciente ligado no piloto automático rumo de volta para casa....velocino de ouro como cobertor de qualquer estação...veranicos a parte....calores menopausicos....silêncio de quem goza sem compania, sem dividir afetos...mão esporrada debaixo da torneira que escoa a vida pelo ralo....maibe i'm amazed! da maneira como te necessito....do outro lado a palavra que não ecoa e-mails e nem comentários de dedos preguiçosos à estimular a pesquisa mental dos ignorantes que se veem como a mensagem de amor diante dos olhos vadios que sobrevivem da boa vontade alheia....leaving in the day of the eagle...living in the day that we luv.....sem retorno ou falsas fantasias do suprente...is easy to heard, is easy to forget...é facil não se comprometer!...é facil acordar de manhã negando a ressaka que assola....good morning headache!

Dificil é começar o dia com a dignidade dos que crêem em Deus...se atirar feito fita durex que depende do rolo para se certificar em linha reta e falar palavras que não lhe pareçam estranhas aos ouvidos, grudar conceitos...faço versos no obscuro da fantasia, reinvento minhas imaginações tento recurar minhas neuroses atuais....neste lugar aonde deveria falar o que você quer ouvir.....but i have lost in this new day that comming...sempre algo virá...durante a noite no meio do enfarto...palavras traduzirão o que não mais importa.....in this place full off empaty places.....como uma manhã que se nascer, será apenas outra que nos motivara a orar se sabe a quem?....Brother u wanna run in a foolish of me? ou raspar minha face com a maquina zero para me deixar atualizado na fantasia que vêem a ser o bel ser?....o bel falar?....não phode kamarada...não há a palavra que não deve ser dita, por mais profana que seja diremo-la, com todas as letras.....o que você espera que eu lhe diga.....?...se você não quer me ouvir.

Se outra palavra eu disse sei que não era de seu vocabulario e nem do meu que vociferara palavras contraditas aos vocabularios da dialétika remanescente destas linguagens que nos negamos a falar enquanto cantamos, blues ou sussarramos no ouvido o prazer entorno de nós......não me confesse as novas, pois sigo por ai cantando; atravessando croosroads, xapado como deveriam de estar todos na hora da entrega....não sou imagem em qualquer espelho só neste que reflete a minha no fundo desta caixa me entregue via sedex.....too much, rolling stoned.

Qual é o outro lado do verso senão a sua negação, a palavra dita que nunca nos valeu nada senão a inconsequente negação, eu acho isso uma merda e é só, vem me contestas ,para que eu saiba que estou errado.....o poema do lado de ká não sofre de depressão e a bilis negra é so vontade de vomitar no box sem vidros com cortina de plasticos rasgadas enquanto tentamos ficar de pé para verter o suco que nos enjoa e polui a visicula mal tratada pelo dia a dia de de nossas desaventuranças, de joelhos nos orátorios de nosssas crenças...luv songs...só um pedacinho de saúde, nos traduziria como macrobióticos...menos carne, mais salada nos faria cagar melhor....close your eyes, stand close off me....i realy luv it!..i hate sugar!...let's drink to the salt of the world.(aprecie moderadamente).

O carente promete o que não pode cumprir, o que não caresse, pouco se importa se há futuro ou não....faz um pircing no umbigo e pouco se importa com a dor....
playing with the doctor pain! mister jimi!....cole este artificio no meu dente e não me provoque caries....do lado de ka só me resta perfurmar-me para que não me achem fedorento, dispare este jogo que não me interessa jogar nem por um pouco de simpatia.....foda-se os gaviões se existem andorinhas para escorrasa-los e ninhos para fazerem raras sopas chinesas....to a toa benjing.....navegando pelas escadas da cidade proibida pagando impostos aos seus opressores e libertadores.....foda-se new york...i'm the citzen of the world....o outro lado de quem me nega cidadania, a eagle flyng, insistentemente, in front my nose...the spoken of love, a negação de suas malvadezas, o gozo multi orgástico de vagabas que adoram fuder.

Quem você acha que é se não um pedaço desta fantasia que sequer consigo descrever, parte de um brinquedo que nehuma criança quer brincar, frases ritimadas entre a l.e.r e outras fantasias que nos fazem esticar as costas, distender os musculos em busca de uma relaxação parecida com aquela que nos faz se entregar quando o suor nos nega o calor e a boca cala um gozo que não oconsiguimos indentificar como o nosso.......me acho afiado pa'ra te negar o verso e ti mostrar que tudo o que dizes só serve a quem te escraviza & continua a possuir tua servidão...um fantoche na mão de marioneter's...

Qual é o o lado que reflete o transparente dos copos, sem bolhas feito a transparencia de quem cria universos e despreza buracos negros...de que lado é o outro lado, de que lado colo a gelatina que me gruda os dentes de plastico a minha gengiva, acidificada pelo o alcool que me consome dia a dia? de que lado me fixo?.....como devo sorrir e mostrar meus dentes brancos...cante-me uma canção que me mostre o novo que me prometeram e que eu ainda não consegui ver...tirem esse babaka da minhas costas quero ouvir a canção de quem as saibam canta-las.....to de saku cheio de pagodes amarelos e sorrisos marotos......se tua mulher é boa para caralho de graças a Deus se não for faço o mesmo.....só elas podem amar e transformar a dureza de nossos corações....as vezes me sinto tão desinspirado que nehuma palavra me seduz, nada afirma o que preciso ouvir....o que me cura é um gemido perdido no quarto de alguem que ousa me afirmar que a vida existe e fica grata por gozar comigo.....e espera que eu me entregue como se essa fosse a última vez, com ascento e escrita certo, como a certeza da morte e a desconstrução de tudo que crí!

......tanatos confessando à eros o prazer, que tem em gozar!


Air Guitar:
Happy
The Rolling Stones - Exile on a main street.


Do lado de cá só me resta observar, o outro lado de lá...e me dar por satisfeito!

sexta-feira, outubro 13, 2006

O Elixir do Pajé - Bernardo Guimarães - 1825-1884


Que tens, caralho, que pesar te oprime

que assim te vejo murcho e cabisbaixo
sumido entre essa basta pentelheira,
mole, caindo pela perna abaixo?

Nessa postura merencória e triste
para trás tanto vergas o focinho,
que eu cuido vais beijar, lá no traseiro,
teu sórdido vizinho!

Que é feito desses tempos gloriosos
em que erguias as guelras inflamadas,
na barriga me dando de contínuo
tremendas cabeçadas?

Qual hidra furiosa, o colo alçando,
co'a sanguinosa crista açoita os mares,
e sustos derramando
por terras e por mares,
aqui e além atira mortais botes,
dando o co'a cauda horríveis piparotes,
assim tu, ó caralho,
erguendo o teu vermelho cabeçalho,
faminto e arquejante,
dando em vão rabanadas pelo espaço,
pedias um cabaço!

Um cabaço! Que era este o único esforço,
única empresa digna de teus brios;
porque surradas conas e punhetas
são ilusões, são petas,
só dignas de caralhos doentios.

Quem extinguiu-te assim o entusiasmo?
Quem sepultou-te nesse vil marasmo?
Acaso pra teu tormento,
indefluxou-te algum esquentamento?
Ou em pífias estéreis te cansaste,
ficando reduzido a inútil traste?
Porventura do tempo a destra irada
quebrou-te as forças, envergou-te o colo,
e assim deixou-te pálido e pendente,
olhando para o solo,
bem como inútil lâmpada apagada
entre duas colunas pendurada?

Caralho sem tensão é fruta chocha,
sem gosto nem cherume,
lingüiça com bolor, banana podre,
é lampião sem lume
teta que não dá leite,
balão sem gás, candeia sem azeite.

Porém não é tempo ainda
de esmorecer,
pois que teu mal ainda pode
alívio ter.

Sus, ó caralho meu, não desanimes,
que ainda novos combates e vitórias
e mil brilhantes glórias
a ti reserva o fornicante Marte,
que tudo vencer pode co'engenho e arte.

Eis um santo elixir miraculoso
que vem de longes terras,
transpondo montes, serras,
e a mim chegou por modo misterioso.

Um pajé sem tesão, um nigromante
das matas de Goiás,
sentindo-se incapaz
de bem cumprir a lei do matrimônio,
foi ter com o demônio,
a lhe pedir conselho
para dar-lhe vigor ao aparelho,
que já de encarquilhado,
de velho e de cansado,
quase se lhe sumia entre o pentelho.
À meia-noite, à luz da lua nova,
co'os manitós falando em uma cova,
compôs esta triaga
de plantas cabalísticas colhidas,
por sua próprias mãos às escondidas.

Esse velho pajé de pica mole,
com uma gota desse feitiço,
sentiu de novo renascer os brios
de seu velho chouriço!

E ao som das inúbias,
ao som do boré,
na taba ou na brenha,
deitado ou de pé,
no macho ou na fêmea
de noite ou de dia,
fodendo se via
o velho pajé!

Se acaso ecoando
na mata sombria,
medonho se ouvia
o som do boré
dizendo: "Guerreiros,
ó vinde ligeiros,
que à guerra vos chama
feroz aimoré",
- assim respondia
o velho pajé,
brandindo o caralho,
batendo co'o pé:
- Mas neste trabalho,
dizei, minha gente,
quem é mais valente,
mais forte quem é?
Quem vibra o marzapo
com mais valentia?
Quem conas enfia
com tanta destreza?
Quem fura cabaços
com gentileza?"

E ao som das inúbias,
ao som do boré,
na taba ou na brenha,
deitado ou de pé,
no macho ou na fêmea,
fodia o pajé.

Se a inúbia soando
por vales e outeiros,
à deusa sagrada
chamava os guerreiros,
de noite ou de dia,
ninguém jamais via
o velho pajé,
que sempre fodia
na taba na brenha,
no macho ou na fêmea,
deitando ou de pé,
e o duro marzapo,
que sempre fodia,
qual rijo tacape
a nada cedia!

Vassouras terrível
dos cus indianos,
por anos e anos,
fodendo passou,
levando de rojo
donzelas e putas,
no seio das grutas
fodendo acabou!
E com sua morte
milhares de gretas
fazendo punhetas
saudosas deixou...

Feliz caralho meu, exulta, exulta!
Tu que aos conos fizeste guerra viva,
e nas guerras de amor criaste calos,
eleva a fronte altiva;
em triunfo sacode hoje os badalos;
alimpa esse bolor, lava essa cara,
que a Deusa dos amores,
já pródiga em favores
hoje novos triunfos te prepara,
graças ao santo elixir
que herdei do pajé bandalho,
vai hoje ficar em pé
o meu cansado caralho!

Sus, caralho! Este elixir
ao combate hoje tem chama
e de novo ardor te inflama
para as campanhas do amor!
Não mais ficará à-toa,
nesta indolência tamanha,
criando teias de aranha,
cobrindo-te de bolor...

Este elixir milagroso,
o maior mimo na terra,
em uma só gota encerra
quinze dias de tesão...
Do macróbio centenário
ao esquecido mazarpo,
que já mole como um trapo,
nas pernas balança em vão,
dá tal força e valentia
que só com uma estocada
põe a porta escancarada
do mais rebelde cabaço,
e pode em cento de fêmeas
foder de fio a pavio,
sem nunca sentir cansaço...

Eu te adoro, água divina,
santo elixir da tesão,
eu te dou meu coração,
eu te entrego a minha porra!
Faze que ela, sempre tesa,
e em tesão sempre crescendo,
sem cessar viva fodendo,
até que fodendo morra!


Air Guitar:
Meltdown Oratorio
Clint Ruin & Lydia Lunch



terça-feira, outubro 10, 2006

A Clairvoyant's holiday...(it taste's like honey).



Os olhos de um fulano qualquer se arregalam enquanto ele pergunta ao que susurra o vento, será que estou viajando com os anjos....será que estou sendo iluminado sem incenso de mirra e cristais difudindo luz de velas que brilham como milhares de vagalumes, talvez tenham me deletado outra vez? ou colocado alguma coisa na minha bebida..to cansado de ser formatado, remodelado conforme a'gulha que costura a superficie da pele arreganhada ...to cansado de você tambem....vou sair em busca de uma portra vazia e não voltar nunca mais....pouco ligar para a paz que lhe roubei, te esquecer numa esquina, no meio da madrugada, sem o dinheiro da passagem....te deixar a pé para que cales a arrogância que me irrita...we don´t mind...i refuse to dead for u! Crueldade tatoando a pele psicológica.....dor sem cura!....a empaty soul, without content....

Vazio como lata de massa de tomate que não faz mais molho para macarronada...seven years bitch......sofrendo de todos os tipos de defeitos...dando defeitos desconhecidos ate aos desenvolvedores...a pocket full of bugs....another side do jogo que você costuma jogar...lost in a lost world....strange to this cellar.....fucking thing, nada a mais, fucking thing!...soro para ovos de mosquitos pedaço de carne predisposto a transplante...peça de reposição reinventando a vida cristã..God bless us!.....máteria de capa no jornal de cincoenta centavos, e bunda assentada no trem de $ 1,90 ...mais barato que cafézinho e pão com manteiga para cafeínomacos que nessecitam de transporte e mascaras...preços das dependencias modernas....do u wanna some alchool?.....to cure that pain?....ou você deseja um analgésico mais forte?..... o que precisamos para curar a dor?...casamentos? ....rodeios e a farra do boi?...estrelismos da percepção de que já se esta rico para caralho?....i wanna live!...i wanna die! eros e tanatos temperando o suco da polpa de vida que nos absorve as celulas tronco, ...morbidez entropica. Claras evidências de clarevidentes, que certificam que o amor reinará sobre nós.

Yes, the kingdom come !
Air Guitar:
No fucking war
7 years bitch - Sick'Em

say a jihad,
apontando-lhe o pai de todos:
- não fode satanás!

segunda-feira, outubro 02, 2006

Simpatia para a Felicidade Instânea.

Essa simpatia me foi enviada via e-mail, por BoneShake Jake, um misterioso e obscuro xamã romeno, rastafari, radicado nas antilhas, que tem uma casa de verão em new orleans aonde se hospeda durante carnaval, com os adeptos e músicos locais de jazz e ritm'n'blues, segundo suas palavras; não crê mais em voodoos e zumbis, mas se pela de medo de totens e espantalhos.



Junte a poeira levantada pelo vôo de 25 pombos
que ciscam um xiclete rosa grudado na calçada.
77 grs. de parafina de vela reciclada, colhida
na segunda feira às 18:00 hs. numa igreja que tenha
a porta de entrada numa esquina
e um poste em frente, aonde um cachorro branco
deve estar marcando território
com a pata trazeira direita levantada.
Dissolva a parafina, junte a poeira dos pombos
e com esta mistura ainda amolecida no banho maria,
escreva com um pincel de pelo da pata esquerda
de ácaros com sinais de nascença no meio do corpo,
escreva em um grão de arroz integral perbolizado,
a seguinte frase:

- Sou feliz, p'ra xuxú!

Depois embrule o grão num papel de pão que embalou
um pão doce recheado de frutas cristalizadas
ou um panetone no 21º dia
do mês de julho as 15:45 hs...Pronto!
Guarde no 5º Bolso de seu jeans
aquele do lado direito que não serve pra nada.
e esqueça ele neste bolso na 1ª lavagem,
depois de ter usado a calça por 7 dias e 7 noites.
Faça amor constântemente e, de vez enquando
dê uma "rapidinha" em locais públicos.

Air Guitar:
Happiness is a warm gun
Beatles - White Albun


You can Run but, You can't hide!

sexta-feira, setembro 29, 2006

Boneshake Jake meets the Moon Stoned!

Landin' in a fake satelite
distortin' a life, por nada...
dirt money, Hot sex!
Hip Hop Katarse!
Dirt Junk....Hot funk!

Sigo por aí tropego,
sem ouvir de ninguém:
- Você está errado!
Confuso, não sei o que faço.....
sigo indo, closer to home, outra vez!

Hip Hop Katarse!
Dirt Junk....Hot funk!

Do Jeito que sai a rima,
sai a ciranda de mão em mão
cantando na cantiga
de boca em boca:
- Que o gato não morreu!

dirt money, Hot sex!
Hip Hop Katarse!
Dirt Junk....Hot funk!

Não importa quantos cintos
a hipshakin' elvis,
ou quantas portas à morrison,
vômitos à hendrix, tristezas à joplin
ou viúvas à Kobain...

Please: - Don't mind!
boneshake jake tá na área...
lavando calçadas com lavândas,
fazendo churrasco com sal grosso.
Vendendo Gato por lebre e acarajés
dos pés de moças virgens.

dirt money, Hot sex!
Hip Hop Katarse!
Dirt Junk....Hot funk!

Kandango,
motorista de trator ontem,
dono de empreiteira e
lanchonete tipo stay fat...
feed your needs!..today!

What's up!

Há uma pedra na lua
para ti lavar a alma,
te mostrar que o
sonhos que sonhas
você ja conheçe.

Não vou desistir
do gosto da laranja
se aprendi a gostar de kajá
vou me entregar a fantasia
do compasso, dançar e falar em
blá...blah...blás...modern songs.

dirt sex, Hot money!
Hip Hop Katarse!
Dirt Funk....Hot Junk!

Eu só quero é amar!

Air Guitar:
Do You Take This Man?
Diamanda Galás & John Paul Jones - The Sporting Life

Sabe-se lá o que lhe aflige?

quarta-feira, setembro 27, 2006

Verbose Output - (Pré Mirror Mixes)


Download

192 kbs - Hig Res Cover

O Verbo reinventa a fonétika
que se bate entre a língua e os dentes,
saltita no palato e explode nos lábios
as palavras que quero dizer.

terça-feira, setembro 19, 2006

A Ilusão do Sufrágio Universal - Mikhail Bakunin

Os homens acreditavam que o estabelecimento do sufrágio universal garantia a liberdade dos povos. Mas infelizmente esta era uma grande ilusão e a compreensão da ilusão, em muitos lugares, levou à queda e à desmoralização do partido radical. Os radicais não queriam enganar o povo, pelo menos assim asseguram as obras liberais, mas neste caso eles próprios foram enganados.

Eles estavam firmemente convencidos quando prometeram ao povo a liberdade através do sufrágio universal. Inspirados por essa convicção, eles puderam sublevar as massas e derrubar os governos aristocráticos estabelecidos. Hoje depois de aprender com a experiência, e com a política do poder, os radicais perderam a fé em si mesmos e em seus princípios derrotados e corruptos. Mas tudo parecia tão natural e tão simples: uma vez que os poderes legislativo e executivo emanavam diretamente de uma eleição popular, não se tornariam a pura expressão da vontade popular e não produziriam a liberdade e o bem estar entre a população?

Toda decepção com o sistema representativo está na ilusão de que um governo e uma legislação surgidos de uma eleição popular deve e pode representar a verdadeira vontade do povo.

Instintiva e inevitavelmente, o povo espera duas coisas: a maior prosperidade possível combinada com a maior liberdade de movimento e de ação. Isto significa a melhor organização dos interesses econômicos populares, e a completa ausência de qualquer organização política ou de poder, já que toda organização política se destina à negação da liberdade. Estes são os desejos básicos do povo. Os instintos dos governantes, sejam legisladores ou executores das leis, são diametricamente opostos por estarem numa posição excepcional.

Por mais democráticos que sejam seus sentimentos e suas intenções, atingida uma certa elevação de posto, vêem a sociedade da mesma forma que um professor vê seus alunos, e entre o professor e os alunos não há igualdade. De um lado, há o sentimento de superioridade, inevitavelmente provocado pela posição de superioridade que decorre da superioridade do professor, exercite ele o poder legislativo ou executivo.

Quem fala de poder político, fala de dominação. Quando existe dominação, uma grande parcela da sociedade é dominada e os que são dominados geralmente detestam os que dominam, enquanto estes não têm outra escolha, a não ser subjugar e oprimir aqueles que dominam. Esta é a eterna história do saber, desde que o poder surgiu no mundo. Isto é, o que também explica como e porque os democratas mais radicais, os rebeldes mais violentos se tornam os conservadores mais cautelosos assim que obtêm o poder. Tais retratações são geralmente consideradas atos de traição, mas isto é um erro. A causa principal é apenas a mudança de posição e, portanto, de perspectiva.

Na suíça, assim como em outros lugares, a classe governante é completamente diferente e separada da massa dos governados. Aqui, apesar da constituição política ser igualitária, é a burguesia que governa, e é o povo, operários e camponeses, que obedecem suas leis. O povo não tem tempo livre ou educação necessária para se ocupar do governo. Já que a burguesia tem ambos, ela tem de ato, se não por direito, privilégio exclusivo. Portanto, na Suíça, como em outros países a igualdade política é apenas uma ficção pueril, uma mentira.

Separada como está do povo, por circunstâncias sociais e econômicas, como pode a burguesia expressar, nas leis e no governo, os sentimentos, as idéias, e a vontade do povo? É possível, e a experiência diária prova isto. Na legislação e no governo, a burguesia é dirigida principalmente por seus próprios interesses e preconceitos, sem levar em conta os interesses do povo. É verdade que todos os nossos legisladores, assim como todos os membros dos governos cantonais são eleitos, direta ou indiretamente, pelo povo.

É verdade que, em dia de eleição, mesmo a burguesia mais orgulhosa, se tiver ambição política, deve curvar-se diante de sua Majestade, a Soberania Popular. Mas, terminada a eleição, o povo volta ao trabalho, e a burguesia, a seus lucrativos negócios e às intrigas políticas. Não se encontram e não se reconhecem mais. Como se pode esperar que o povo, oprimido pelo trabalho e ignorante da maioria dos problemas, supervisione as ações de seus representantes?

Na realidade, o controle exercido pelos eleitores aos seus representantes eleitos é pura ficção, já que no sistema representativo, o controle popular é apenas uma garantia da liberdade do povo, é evidente que tal liberdade não é mais do que ficção.


Air Guitar:
Anarchy In The U.K
Sex Pistols - Never mind the bollocks


“A teoria revolucionária é, agora, inimiga de toda
a ideologia revolucionária e sabe que o é.” - Guy Debord